A Lei dos Grandes Números nas Apostas

Pagina inicial » A Lei dos Grandes Números nas Apostas

Existem várias leis utilizadas pelos bookmakers ao criar mercados. Uma delas, a Lei dos Grandes Números (LLN) nas apostas, afirma que os resultados obtidos de um grande número de tentativas se aproximarão do valor esperado. Isso significa que se você jogar uma moeda ao ar várias vezes, ela mostrará cara e coroa aproximadamente o mesmo número de vezes.

Aplicação no Cassino

Esta lei é aplicada em jogos de cassino como uma teoria e, de acordo com a Lei dos Grandes Números (LLN), a média dos resultados de um grande número de tentativas deve se aproximar do valor esperado e tenderá a se aproximar mais desse valor com mais tentativas realizadas. A principal importância da LLN é que ela garante um resultado estável a longo prazo, mesmo que as tentativas realizadas sejam maiores, o resultado esperado ainda é o mesmo. Um bom exemplo é quando um cassino está perdendo dinheiro na primeira rodada da roleta. Quanto mais tentativas são realizadas, maior a possibilidade de a sequência de vitórias chegar a um fim previsível.

A lei é eficaz apenas se um grande número de tentativas for realizado, e isso pode não produzir o mesmo resultado para um pequeno número de tentativas. Não há princípio que indique que um pequeno número de observações coincidirá com o valor esperado, como no caso de grandes tentativas.

A Falácia do Jogador

O termo Falácia é definido como uma crença errada e geralmente é baseado em argumentos falaciosos ou raciocínio falho, onde os jogadores ou apostadores depositam sua confiança em crenças e lógica.

Também conhecida como Falácia de Monte Carlo ou falácia da maturidade das chances, é a crença de que se um determinado evento ocorrer mais frequentemente do que o normal no passado, é menos provável que aconteça no futuro próximo.

Independência Estatística

Estatisticamente independente, também referida como independência histórica, é quando uma probabilidade estabelecida não depende do que aconteceu no passado. Um bom exemplo é lançar um par de dados em uma mesa: se não vimos um par de seis recentemente, a teoria diz que há uma boa chance de o lançamento dos dados resultar em seis, devido ao fato de haver menos resultados de seis.

A falácia do jogador pode ser ilustrada pelo lançamento repetido de uma moeda padrão. Os resultados dos lançamentos são estatisticamente independentes e a probabilidade de obter cara em um único lançamento é geralmente uma em duas. A probabilidade de obter duas caras em dois lançamentos é uma em quatro, e a probabilidade de obter três caras em três lançamentos é uma em oito.

Após realizar com sucesso mais lançamentos até cinco caras consecutivas, o indivíduo pode pensar que o próximo resultado será coroa e não cara novamente. Isso está incorreto e é um bom exemplo da falácia do jogador, dando uma falsa crença baseada na probabilidade.

Outro exemplo histórico da falácia do jogador aconteceu em 1913, em um cassino em Monte Carlo. Um grupo de jogadores se interessou durante a oitava rodada e começou a apostar no vermelho. Conforme a história, a bola branca caiu no preto várias vezes e excedeu suas possibilidades de probabilidade, fazendo com que não fosse possível cair no preto novamente, mas no vermelho dessa vez.

À medida que a bola girava, todos na mesa observavam silenciosamente enquanto a bola fazia suas voltas na roda, e para sua surpresa, a bola caiu no preto pela 26ª vez consecutiva. Com a maioria dos apostadores apostando no vermelho, todos perderam para a roda.

A falácia do jogador ativou os instintos dos apostadores e eles automaticamente esqueceram a lógica, apostando cegamente no vermelho, apesar de acreditarem em sua intuição. Todos perderam devido ao raciocínio falho. Naquela época, nenhum jogador discutiu ou conversou sobre suas apostas, todos agiram com base em uma crença geral entre os apostadores.

O valor perdido durante esse evento não é conhecido, mas os apostadores realmente perderam uma grande soma de dinheiro para a roleta. Isso abriu os olhos de muitos deles para começar a pensar logicamente. Esse evento trágico levou à rejeição da teoria sobre previsões baseadas na probabilidade de eventos passados. Os apostadores começaram a colocar sua crença na experiência e prática.

Como a Lei dos Grandes Números se aplica nas apostas esportivas?

Nas apostas esportivas, uma abordagem diferente é conhecida como a estratégia de empate progressivo. Esta estratégia requer que o apostador coloque uma aposta em um empate em vez de uma vitória, e se o primeiro jogo falhar, podemos apostar no próximo jogo para dobrar ou até triplicar nossos ganhos. No entanto, isso só funciona na Liga dos Campeões ou na Copa do Mundo da FIFA.

É improvável que um jogo da Liga dos Campeões da Europa termine sem um ou dois empates, especialmente porque o jogo é jogado quase ao mesmo tempo e alguns sempre terminam em empate após o tempo regulamentar. Os bookmakers geralmente oferecem uma média de 3-5 odds em um empate, podendo ser maior para as principais equipes.

Também é importante notar que esta teoria só funciona com base na experiência do apostador e é mais provável aumentar a chance de ganhar grande devido às altas odds nos empates. A estratégia funciona principalmente com um grande saldo de conta, já que na primeira tentativa de apostar no empate podemos perder, então será necessário ter fundos suficientes para continuar apostando em empates e dobrar a chance de vitória.

Conclusão

Como a teoria sugere, é uma base de crença e raciocínio falho. No entanto, também é importante notar que a experiência é o melhor professor. Como essa teoria tende a decepcionar, devemos sempre usar a experiência para prever o possível resultado e não basear nossas chances de vitória em probabilidades passadas.

No entanto, apesar de ter um raciocínio falho, também obtemos cerca de 50% de chance de ganhar, e os outros 50% vêm da experiência em diferentes estilos de jogo e estratégias usadas por jogadores em todo o mundo.